Pular para o conteúdo principal

Memórias Póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis



   Estamos aqui com mais uma resenha para vocês. Esta resenha começa um pouco diferente, pois o livro começa com o fim e não com o começo, como estamos acostumados. Machado de Assis gosta de fazer essas coisas para que possa nos confundir, então vamos lá.
   Comecemos com a ilustre frase deste livro: “...eu não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor.”, essa frase já nos coloca a pensar como Brás Cubas escreveu o livro, sim ele estava morto e resolveu escrever as suas memórias.
   Vamos a estória propriamente dita. Brás Cubas é um rapaz que desde o começo se apaixona por D. Eusébia, uma moça mais velha que ele. Ele ainda está na escola e após o tal beijo, que ele havia roubado na festa de D. Eusébia. Mas não volta a vê-la por esta ser mais velha e também porque futuramente poderia encontrar problemas.
   Também conhece nesse meio tempo Marcela, cuja mulher ele amara e dava-lhe várias joias e presentes caros. Então tem que fazer uma viagem para os estudos e tenta convencer Marcela a ir junto com ele só que ela diz que não pode ir. No final diz que vai, mas não vai realmente.
   Com isso Brás Cubas fez a viagem, mas ao saber que sua mãe estava mal volta para sua cidade. Neste mesmo tempo sua família além de triste, pois poucos dias após a chegada de Brás a mãe deste morre, mas estavam animados porque queriam que Brás se casasse com Virgília (só porque ela o levaria a um posto no governo).
   Mas Brás se reencontra com Eusébia e sua filha Eugênia (uma menina coxa, mas muito bonita), então fica pensando se realmente se casaria com Virgília, mesmo sabendo que não a conhecia e não tinha ideia de como era a moça.
   Após conhecer Virgília, se apaixona por esta e mesmo que não conseguira se casar com ela tem um caso às escondidas na casa de D. Plácida. Virgília se casou com Lobo Neves e teve um filho com este, mas não o amava realmente.
   Outro dia Brás se encontra com Marcela que estava muito feia por causa das bexigas, uma doença que a mata muito tempo depois. Também se reencontra com Quincas Borba, seu colega e que dá muitos conselhos a este.

   Iremos terminar aqui a resenha porque, se não, a estória ficará muito chata. Algumas perguntas interessantes a esse livro é:
   - Será que Brás Cubas se casa?
   - O que acontecerá com Virgília e Brás, será que alguém descobre o seu romance?
   Para fim de conversa recomendo este livro a todos a estória é muito interessante e como sempre Machado de Assis nos deixa com curiosidades até o fim do livro.





Comentários

  1. Que livro movimentado! rsrs Tenho aqui em casa a coleção das obras de Machado de Assis de 1979, que é de família... Vou lê-lo em breve :)
    Parabéns pela resenha!
    Abraços...

    http://gihfigueiredo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Trata-se do livro mais genial com o qual tive contato até hoje; - lembro-me, em especial, do capítulo último e toda sua força poética concernente à trágica condição humana.

    Parabéns pelo blog!

    danilofoltran.wordpress.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário