sexta-feira, 4 de março de 2016

Diego Henrique, novo colunista!

   E ai pessoal, tudo bem?
   Hoje neste finalzinho de sexta-feira vim mostrar para vocês nossa novidade desta semana! O Diego Henrique escreve alguns textos muito bons, então decidi fazer um convite e ele aceitou... este convite foi o de publicar seus textos aqui, gostaram da novidade? Teremos dias específicos para as postagens dos textos e hoje começaremos com um primeiro para que vocês possam degustar, vamos lá?
Amiga (Diego Henrique Garbuio)
   Já ouvi muita coisa do tipo “as amizades são fogueiras que mantém nossos corações aquecidos nos invernos da existência”. Mas se analisar a fundo, ninguém entende ou sabe o significado de tal laço que uni pessoas tão distintas, ótimo, pois definir é limitar, e estaríamos sendo criminosos em ignorar, dissipar parte de algo que não sabemos onde inicia ou onde se encontra seu término. Amizade é o tipo da palavra que, em um gráfico de pontos sobre grandezas da vida, não faz sentido algum, mas ela por si só, já basta para entender o quadro geral. Poderia aqui falar por horas e dias a fio sobre ela, qualquer discussão caberia, mas prefiro mostrar e comentar através de um exemplo, inclusive exemplo de próprio laço que mantenho...
   Nossa relação começou abruptamente, talvez um pouco turbulenta. Ela sempre me acompanhou por todos os caminhos que passei, mas por muitas vezes nunca notei, sempre pensei caminhar sozinho. Quando notei sua presença, por impulsão ou sem pensar, questionei a injustamente, sobre respostas que eu possuía mas não sabia.
   Ela também por vezes não parecia ser minha amiga... amiga, pois era áspera em algumas situações e cobrava coisas que pareciam ser impossíveis naquele momento. Confesso que nesses momentos eu pensava logo em desistir, mas ela não permitia e me obrigava a insistir mais, ir além do que achava ser meu limite.
   Sim, por muito tempo tivemos uma relação conflituosa, mas ela nunca deixou de acreditar em mim, e eu, la no fundo sabia mesmo sem saber, que eram necessárias essas tempestades passageiras para a viagem fazer sentido. Aos poucos com as doses homeopáticas do balsamo que tudo cura, chamado de Tempo, aprendi a entendê-la e corresponder suas expectativas. Hoje com uma visão geral pelo segundo andar da torre da existência e com olhos mais aguçados, sei que verdadeiros amigos não são os que só te dizem “sim”, que te apoiam desmedidamente em tudo, mas quem quer sempre o seu bem, o melhor dedo para o diamante raro (que você significa pra ele), mesmo que para isso você precise passar por árduas lições, como o diamante bruto que sente a fria e dolorosa lixa do facetador para depois encontrar o seu verdadeiro brilho. Atualmente somos unha e carne, não me imagino longe dela,não conseguiria caminhar sem estar de braços dados a ela.
   Bom meus caros, poderia ficar falando mil coisas, de como ela deixou minha paisagem mais colorida, me trouxe o sol, entre outras coisas. Mas estou atrasado para alguns compromissos, porém não deixo vocês sós, agora que já os apresentei o conhecem um pouco, fiquem na companhia da minha melhor amiga, podem conversar sem medo, troquem idéias... Ops! Desculpa minha cabeça anda tão esquecida, já ia embora sem dizer o nome dela e apresentar melhor vocês a ela, então... VIDA, esses são meus leitores. Bom papo pra vocês!

   Bem pessoal, este foi o primeiro texto de muitos que teremos aqui no blog! Espero que tenham gostado e não deixem de comentar ;) Beijinhos e até a próxima! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário